sábado, 24 de agosto de 2013

Meus trechos de livros favoritos

Olá meninas, bom sábado pra vocês! Daqui a pouquinho estou saindo para trabalhar mas antes eu deixei essa postagem aqui pronta pra vocês. Afinal se não posto hoje acabo me enrolando, me atrasando e não posto nunca hahaha. Pois é, sou meio atrapalhada, e por isso quando eu lia um livro eu nuca marcava os meus trechos preferidos e acabava esquecendo. Mas á um tempo eu comecei a marcá-los e decidi postar alguns aqui pra vocês... Quem sabe vocês não se inspiram e os leem também? 


Ando pelas ruas, olho as pessoas, será que elas escolheram suas próprias vidas? Ou será que elas também, como eu, foram “escolhidas” pelo destino? A dona de casa que sonhava em ser modelo, o executivo de banco que pensou em ser musico, o dentista que tinha um livro escondido e gostaria de dedicar-se a literatura, a menina que adoraria trabalhar na televisão, mas tudo que encontrou foi um emprego de caixa de supermercado.
— Onze Minutos - Paulo Coelho


Mas o pequeno bosque de mimosas, o manto de estrelas, o frêmito, a chama, a doce seiva e a dor ficaram comigo, e aquela menininha de pernas bronzeadas e língua ardente desde então me perseguiu - até que, por fim, vinte e quatro anos depois, quebrei seu feitiço encarnando-a em outra.
— Lolita - Vladimir Nabokov


"Se Aristóteles vivesse hoje, talvez ele disesse que a vida de uma pessoa que só cultiva o corpo é tão unilateral quanto a vida de outra que só usa a cabeça. Ambos os extremos são expressões de um modo errado de viver a vida." 
— O mundo de Sofia - Jostein Gaarder


Um estado que não forma nem educa suas mulheres é como um homem que treina apenas o seu braço direito.
— O mundo de sofia


Brinquei com a mão dele, virei-a com a palma para cima e encostei minha palma na dele, couro macio contra couro macio, e, no entanto, através dessas camadas de couro, sentíamos nossas mãos quentes e palpitantes. Escutei-o engolir como se tivesse a garganta seca; senti que seu pulso se acelerava ao tocar o meu, mas isso ainda não bastava. Por que eram tantas as barreiras entre nós? Barreiras compostas de tecidos, boas maneiras, tradição, idade e razão. Mas não era eu sua menina rebelde?
— Eu sou Alice - Melaine


Quando os adultos dizem: “Os adolescentes se acham invencíveis”, com aquele sorriso malicioso e idiota estampado na cara, eles não sabem quanto estão certos. Não devemos perder a esperança, pois jamais seremos irremediavelmente feridos. Pensamos que somos invencíveis porque realmente somos. Não nascemos, nem morremos. Como toda energia, nós simplesmente mudamos de forma, de tamanho e de manifestação. Os adultos se esquecem disso quando envelhecem. Ficam com medo de perder e de fracassar. Mas essa parte que é maior do que a soma das partes não tem começo e não tem fim, e, portanto, não pode falhar
— Quem é voce Alasca? - John Green


Espero que tenham gostado meninas! Mas então, qual o seu techo de livro preferido?

Comente! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário